Nota de solidariedade


A Assessoria Técnica dos Atingidos e Atingidas da Adai no Espírito Santo, vem em nota prestar solidariedade à todas as pessoas atingidas pela passagem do ciclone extratropical no Rio Grande do Sul (RS), intensificado com as chuvas dos dias 03 e 04 de setembro. O desastre é considerado a maior tragédia natural do estado das últimas quatro décadas. 

Dados da Defesa Civil do RS divulgados nesta segunda, dia 11: 

  • 46 pessoas mortas; 

  • 4.794 desabrigadas (que necessitam de abrigo público); 

  • 20.490 desalojadas (que foram obrigadas a abandonar sua habitação por questões de segurança). 

O ciclone também atingiu municípios no Paraná e em Santa Catarina, totalizando mais de 340 mil vidas atingidas pelas chuvas e enchentes. 

Por onde passou, a força das águas levou vidas, devastou territórios e deixou marcas de um desastre que não pode ser naturalizado, pois a chuva não pode ser responsabilizada. Os desastres em decorrência das chuvas refletem os efeitos de um sistema que explora e destrói a natureza, como pelos modelos do agro-hidro-minério-negócio, responsáveis também pelo aquecimento global, causado principalmente pela emissão de gases de efeito estufa, pelo desmatamento e ações desenfreadas do sistema capitalista sobre a natureza. 

No Brasil, eventos climáticos extremos, como ciclones e tempestades, estão se tornando cada vez mais frequentes e intensos. O que implica dizer que é urgente repensar os sistemas de produção no país, incentivar práticas agrícolas sustentáveis, como a agroecologia e investir em fontes de energia limpa e renovável, para proteger toda a população, principalmente as comunidades mais vulneráveis. 

Neste momento de solidariedade, nossos pensamentos estão com todos que foram atingidos pelo ciclone. Estamos ao lado de vocês, prontos para apoiar e colaborar na reconstrução de suas vidas e comunidades. 

 

Com solidariedade e esperança: “Águas para a vida e não para a morte!” 

 

Equipe Adai.  

 

Para ter mais informações e saber como ajudar, indicamos os sites do Brasil de Fato RS e o site do Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB)